quinta-feira, 13 de julho de 2017

FRED CUNHA NEWS - EU QUERO UM DESSE !!! PARTE 1





T Rex  - Jet Surf  - Skyrunner







CLIQUE AQUI para ver , curtir e ter mais informações de outros 
 EU QUERO UM DESSE !!! PARTE 1







JET SURF

     Jet Surf é um novo esporte que utiliza-se de máquinas super tecnológicas e inovadoras, feitas em Fibra de Carbono em forma de prancha, contendo motor de propulsão (HidroJato), capaz de atingir até 60 km/h e com peso de apenas 15 kg.


      Criado por um ex-engenheiro da Fórmula-1 que produz motores para carros de corrida, aeromodelos e empresas como a BMW, KTM, 3W, o Europeu Martin Sula é um aficcionado por automobilismo e criou estas máquinas para oferecer muita diversão, praticidade  e potência.



Estas máquinas foram criadas para divertir... Mas com performance e versatilidade para corridas !



T - Rex
do Rali dos Sertões, movido a diesel de cana!


  Ele é o primeiro carro de corrida totalmente movido à diesel extraído da cana de açúcar.  Esqueça aquela fumaça preta, cheia de materiais particulados e com odor insuportável – o cheiro da queima do diesel da cana é quase algo entre o odor do etanol, o da gasolina e o de WD40, com fumaça transparente. 
     240 cv do motor MWM 3.0, com quatro cilindros em linha, surgem a apenas 3.800 rpm, típica característica de motores diesel. Torque? A estupidez de 69 mkgf a 2.500 rpm. O ronco me lembra alguns motores a ar de curso ampliado.



     Feito pela paulista Mem Motorsport, chefiada por Flávio Pacheco, o T-Rex é uma evolução do Sherpa, outro carro da equipe que já compete há cerca de dois anos. Em resumo, trata-se de uma estrutura tubular de cromomolibdênio vestida com carroceria de fibra-de-vidro, com peso total de 1.900 kg, imposto pelo regulamento. 


     Como vimos, ele tem motor MWM 3.0 turbodiesel de 240 cv, casado a um câmbio sequencial de cinco marchas da Sadev e tração integral nas quatro rodas, com diferenciais do Pajero Full.


     A parte que mais sofre no conjunto todo em uma prova como o Rali dos Sertões é a suspensão – em especial os amortecedores, que superaquecem com o excesso de trabalho e perdem eficácia. Isso explica porque o carro usa 
dois amortecedores da Öhlins por roda, com reservatório externo – tanto os scoops no capô quanto os dutos traseiros servem só para resfriar os amortecedores.

     Outra curiosidade: são três radiadores. O que fica mais à dianteira é o intercooler do turbo, usado para resfriar o ar admitido pelo motor. Logo atrás dele, há o radiador de água – e há outro no fundão, próximo aos dois estepes na traseira, conectado ao frontal por um duto.

     O que mais temos ali: pneus Michelin Latitude 235/85 R16 com rodas OZ Racing nos quatro cantos, pinças Brembo com quatro pistões e caixa de direção hidráulica de Pajero equipada com multiplicador 1:2. Em condições severas como a desta prova, não dá pra dispensar o ar-condicionado. A diferença é que o seu compressor é acionado pelo diferencial, e não pelo motor, para tirar carga do conjunto.



 O T-Rex é um dos carros competitivos mais em conta da competição. Mesmo assim, estamos falando de algo em torno de R$ 400 mil – os custos devem baixar significativamente nas unidades seguintes, já que o desenvolvimento é uma das partes mais caras de todo projeto.

Clique no link abaixo e veja a matéria completa




Nenhum comentário:

Postar um comentário